Inteligência Artificial do Google é capaz de detectar câncer de mama

Redação Brasil
Read Time2 Minute, 9 Second

Sistema teve um desempenho “tão bom” quanto o de médicos especialistas, com menores taxas de falsos positivos e falsos negativos

A empresa de inteligência artificial Deepmind, controlada pela Alphabet e irmã do Google, anunciou o desenvolvimento de um sistema de IA capaz de analisar mamografias e detectar sinais de câncer de mama com precisão “tão boa” quanto um radiologista experiente.

A pesquisa, conduzida em conjunto pela Cancer Research UK Imperial College, Northwestern University, Royal Surrey County Hospital e Google Health, treinou uma rede neural usando 76 mil mamografias de mulheres inglesas e 15 mil norte-americanas. Depois de treinada, a IA analisou 25 mil mamografias feitas no Reino Unido e 3 mil dos EUA, estudando quatro imagens de cada exame e classificando os resultados de acordo com o risco de câncer.

Os resultados foram então comparados ao diagnóstico na época do exame, feito por um especialista humano, bem como a exames futuros das mesmas pacientes. A pesquisa mostra que o modelo de IA pôde identificar o câncer de mama com o mesmo nível de precisão que os humanos. Além disso, houve uma redução de falsos positivos em 5,7% nos EUA e 1,2% no Reino Unido, e em falsos negativos de 9,4% nos EUA e 2,7% no Reino Unido.

“O modelo tem um desempenho melhor do que um radiologista individual no Reino Unido e nos EUA”, diz Christopher Kelly, cientista clínico do Google Health e co-autor da pesquisa. No Reino Unido o diagnóstico de câncer de mama deve ser feito por dois especialistas. Caso eles discordem, o exame é analisado por outros profissionais. Quando comparado a este sistema, a IA da Deepmind foi “estatisticamente equivalente, mas não melhor”, diz Kelly.

A ideia não é substituir humanos por uma IA, mas sim usá-la para reduzir a carga de trabalho e ajudar a cobrir um déficit de especialistas na área, que no Reino Unido ultrapassa a marca de mil profissionais, segundo dados do Royal College of Radiologists.

Para testar essa ideia os pesquisadores executaram um projeto paralelo, simulando como o algoritmo trabalharia em conjunto com um radiologista humano. A IA e os radiologistas humanos concordaram 88% das vezes, o que significa que apenas 12% das varreduras teriam que ser lidas por outro profissional.

Embora os resultados sejam promissores, os pesquisadores enfatizam que o trabalho ainda está nos estágios iniciais. Os cientistas do Google dizem que gostariam de ver mais pesquisas não em dados históricos retrospectivos, mas com pacientes atuais. “Estudos prospectivos são a única maneira de descobrir como essas coisas funcionam no mundo real”, diz Kelly.

Fonte: Wired

0 0

About Post Author

Redação Brasil

Jornalista - MTB -0077859/SP
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Astrofísico afirma saber como construir uma máquina do tempo

Grande parte da comunidade científica se mostra cética em relação ao sucesso do equipamento Um astrofísico chamado Ron Mallet acredita que encontrou uma maneira de voltar no tempo. O professor de física da Universidade de Connecticut afirma que escreveu uma equação científica que pode servir de base para uma máquina do tempo real. Mallet chegou a construir um protótipo de um dispositivo de um componente-chave de sua teoria. Apesar disso, o restante da comunidade […]

Subscribe US Now